Reunião destaca cumprimento de metas na Corregedoria Geral da Justiça

Em Reunião de Análise Estratégica (RAE), realizada na última quarta-feira (09/05), a Corregedoria Geral da Justiça fez uma avaliação do cumprimento das metas do Planejamento Estratégico do órgão. Até o fim deste ano, a intenção é concluir 50% das ações previstas para serem realizadas entre os anos de 2017 e 2020.

Elaborado a partir das visitas realizadas nas 42 comarcas tocantinenses, por meio do projeto Corregedoria Cidadã, o planejamento estratégico da CGJUS busca orientar, disciplinar e fiscalizar as atividades judiciais de 1º grau de jurisdição e extrajudiciais, a fim de aprimorar a prestação jurisdicional. "Para a correta elaboração desse planejamento foi imprescindível a iniciativa do Projeto Corregedoria Cidadã, pois nessa oportunidade se verificou in loco as necessidades das Comarcas, das instituições parceiras e da sociedade em geral", ressaltou a juíza auxiliar da Corregedoria, Rosa Maria Gazire Rossi.

Durante a reunião, foi apresentado um balanço de andamento de cada projeto. Entre as metas já concluídas estão a criação da coordenadora da Cidadania, do Núcleo de Prevenção e Regularização Fundiária (Nupref), a simplificação do processo de regularização das terras particulares e públicas, o parcelamento das custas judiciais e a criação do Centro de Orientação, Mediação, Conciliação e Interlocução em Litígios Internos e Administrativos (COMCILIA). "A RAE tem por finalidade a apresentação das metas estipuladas no planejamento, a fim de checar o seu cumprimento, sendo possível também o seu ajuste, quando necessário", reforçou a juíza auxiliar da CGJUS.

Ainda durante o encontro, foram apresentadas as metas para 2018. Entre elas, o início da execução dos projetos relacionados à Coordenadoria da Cidadania, como Meu Pai Presente, Primeiro Passos e Apadrinhamento; e criação de um menu no site da CGJUS referente ao Portal da Infância e Juventude.

Elaborado para desenvolvimento ao logo de quatro anos, os objetivos relacionados no Mapa Estratégico da CGJUS estão alinhados às diretrizes do Conselho Nacional de Justiça e do Tribunal de Justiça do Tocantins.

Texto: Paula Bittencourt / Foto: Rondinelli Ribeiro

Comunicação TJTO