Coordenador do Nupref, juiz Océlio Nobre discute regularização fundiária com lideranças da Região do Bico do Papagaio

Coordenador do Núcleo de Prevenção e Regularização Fundiária (Nupref), órgão da Corregedoria Geral da Justiça (CGJUS), o juiz auxiliar da Presidência recebeu, nesta segunda-feira (30/11), lideranças políticas da Região do Bico do Papagaio, dando sequência à ação do Judiciário tocantinense  de  promover a regularização de áreas rurais e urbanas no Estado e também prevenir conflitos fundiários não judicializados.

Durante o encontro realizado no Gabinete da Presidência, no qual estavam prefeitos, vice-prefeito, vereador e deputado representando os municípios da região, o juiz Océlio Nobre lembrou que, a partir da regularização fundiária, a economia local tende a se movimentar, provocando nos municípios resultado significativo na economia. 

Ainda segundo o magistrado, a "regularização também resgata a dignidade de inúmeros cidadãos que passam a ser proprietários legítimos dos imóveis, pois muitos dos beneficiários necessitam deles regularizados para buscarem investimentos para seu negócio".

Ele explicou para as lideranças que, desde o início da implantação do Nupref pela CGJUS, centenas de imóveis já foram regularizados. "A parceria entre Poder Judiciário, através da Corregedoria, via Nupref e Poder Executivo, tem proporcionado à inclusão econômica, resgate da cidadania, além da promoção do desenvolvimento econômico e social dos municípios", ressaltou.  

Presenças

Participaram do encontro os prefeitos Rafael de Almeida, de Maurilândia, e Wanderley dos Santos Leite, de Arguianopolis; o prefeito, o vice-prefeito e o vereador de Luzinopolis, João Miguel Castilho, Jose Marcos da Silva e Carlos Alberto de Sá, respectivamente, além do deputado estadual Jair Farias. 

Nupref

O Núcleo de Prevenção e Regularização Fundiária (Nupref) foi criado pela Corregedoria Geral da Justiça do Tocantins com a missão de impulsionar a regularização fundiária rural e urbana em todo o Estado. Com o papel de orientar, colaborar e intermediar, o Tribunal de Justiça realiza um trabalho de humanização, com foco na sociedade tocantinense, na dignidade da pessoa humana e na cidadania.

Texto: Rosimeire Alves Sousa / Fotos: Júlia Fernandes

Comunicação TJTO