Corregedora-Geral da Justiça abre Correição Ordinária e trabalhos já estão em andamento nas Comarcas de Wanderlândia Filadélfia e Goiatins

Um novo bloco de Correição Geral Ordinária iniciou esta semana, desta vez nas comarcas da região Norte do Estado, Wanderlândia, Filadélfia e Goiatins. Os trabalhos correcionais foram abertos oficialmente nestes dias 2 (Wanderlândia e Filadélfia) e 3/8 (Goiatins), de forma presencial, pela corregedora-geral da Justiça, Desembargadora Etelvina Maria Sampaio Felipe. As solenidades também contaram com a presença do juiz auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça (CGJUS), Roniclay Alves de Morais, dos juízes responsáveis pelas comarcas que passam por correição José Carlos Ferreira Machado (Wanderlândia), Luatom Bezerra Adelino de Lima (Filadélfia) e Gilson Coelho Valadares, respondendo pela Comarca de Goiatins, além de integrantes do Sistema de Justiça, servidores (as) e a comunidade. Também integraram a equipe da CGJUS os coordenadores Wagner José dos Santos, dos Serviços Notariais e de Registro e Lilian Carvalho Lopes da Correição, Planejamento e Aprimoramento da Primeira Instância; e o assessor jurídico Afonso Alves da Silva Júnior.

Nas três unidades a corregedora falou sobre o cumprimento de metas da CGJUS  e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), parabenizando os magistrados, uma vez que alcançaram números positivos. Pediu atenção para a constante atualização do acesso aos sistemas judiciais, excluindo usuários desabilitados. Em sua fala, a desembargadora Etelvina Felipe, também ressaltou a importância do juiz assumir o papel de gestor.  “Hoje um juiz tem que ser um gestor, ele não pode apenas ficar cuidando da sua atividade fim, é preciso trabalhar com gestão ampla, conhecer a realidade de toda a sua Comarca e não pode delegar essa função a outra pessoa. Ser juiz hoje é uma missão e tem que ter vocação, atuar de forma humana, preocupado com os anseios da população e antenado com todas as modernidades que nós temos”, afirmou ao elogiar a conduta dos juízes das comarcas em correição.

Sobre os cartórios extrajudiciais, a corregedora-geral da Justiça reforçou que o trabalho em conjunto é fundamental para melhorar cada vez mais o atendimento ao cidadão. “Os cartórios extrajudiciais são nossos parceiros e hoje também é um garantidor de cidadania. Por meio dessa importante parceria teremos as salas audiovisuais nos cartórios e a possibilidade da comunicação dos atos processuais. Essa cooperação será muito bem-vinda, quando nós falamos da cooperação do judicial e extrajudicial.”

O juiz auxiliar, Roniclay Morais, supervisor dos serviços notariais e de registro, ressaltou que a correição nas unidades cartorárias visa à orientação. “Dentro da Corregedoria temos um lema que é trabalhar com humanidade. Quando começamos uma correição nos cartórios extrajudiciais é com extrema humanidade e respeito, ali damos orientação, tiramos dúvidas. Atuamos com esse viés mais humano e reconhecendo a essencialidade dos serviços que são prestados ao cidadão.”

Boato extinção Comarca de Wanderlândia

Na Comarca de Wanderlândia a corregedora-geral foi questionada pelas autoridades locais sobre uma possível extinção da unidade judicial, em resposta Etelvina Felipe negou o boato. “Esse questionamento me surpreendeu, essa questão ficou apenas nos boatos e posso garantir que não há estudos neste sentido no Tribunal de Justiça. Inclusive, no Judiciário, quando recorremos a tal medida falamos de desinstalação e não extinção. Mas pelo número de processos na Comarca de Wanderlândia é de fato pouco provável, quanto a isso podem ficar tranquilos, até o momento, não há nenhum estudo neste sentido”, explicou.   

Participantes

Comarca de Wanderlândia

Acompanharam a abertura da Correição Ordinária na Comarca de Wanderlândia o prefeito Municipal de Wanderlândia Djalma Araújo Ferreira Júnior; o prefeito de Piraquê, Silvino Oliveira de Souza; o defensor público, Cleiton Martins da Silva; a procuradora dos Municípios de Wanderlândia e Piraquê, Thayra Silva Guimarães Madruga, representando a OAB - Ordem dos advogados do Brasil, seccional Tocantins; o também procurador dos municípios de Wanderlândia e Piraquê Marcos da Silva Martins; tenente Luiz Antonio de Carvalho, Comandante do 2º Pelotão da Polícia Militar de Wanderlândia;  André Luis Fontanela oficial do Cartório de Registro de Imóveis de Wanderlândia; Horacene Valadares Nascimento, oficiala do Cartório de Registro Civil de Wanderlândia; Tarcísio Roberto Pereira da Cruz Silva, representando os cartórios Civil e de Registro de Imóveis de Darcinópolis.

Comarca de Filadélfia

Na Comarca de Filadélfia participaram o advogado Thiago Gomes de Souza, representando o presidente da OAB, subseção de Araguaína, Davi Santos Morais; - Capitão Israel Batista Alves de Brito, comandante da 3ª Companhia Operacional do 2º Batalhão de Polícia Militar do Estado do Tocantins;         Zebedeu José de Sousa Filho, titular do Cartório de Registro de Imóveis, Tabelionato de Notas, Tabelionato de Protestos de Títulos, Registro de Títulos e Documentos Civil das Pessoas Jurídicas de Filadélfia; Laryssa Bezerra De Oliveira, interina do serviço de registro civil das pessoas naturais, interdições e tutelas de Filadélfia; do extrajudicial de Babaçulândia participaram os interinos Fabiano Ferraz De Azevedo, do Serviço de Registro de Imóveis, Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos, Protestos e Tabelionato de Notas e Kelly Martins Rêgo Farias Castro, do Serviço de Registro Civil das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas.

Comarca de Goiatins

Já na Comarca de Goiatins, a abertura da correição foi acompanhada pelo defensor público Hildebrando Carneiro de Brito; o advogado Alberto Lima Filgueiras,  representando a OAB - Ordem dos advogados do Brasil, seccional Tocantins; o prefeito de Goiatins Manoel Natalino Pereira Soares; o presidente da Câmara de Vereadores de Goiatins Josieides Soares; a prefeita de Barra do Ouro, Nélida Miranda Cavalcante; o presidente da Câmara de Vereadores de Campos Lindos Eliaquim Mendonça; Isaac Coelho, secretário  de administração  representando  o prefeito  de Campos  Lindos; e a comunidade em geral.

Kézia Reis – Ascom CGJUS